2016 foi O ANO na minha “breve carreira” nas corridas de estrada e passado um ano desde que corri a minha primeira Maratona, mas no último fim-de-semana dei conta que as emoções ainda estão muito presentes (Talvez seja esta a chama que alimenta a minha paixão pela corrida).

Este ano fui correr a Family Race ao lado de milhares que participaram em mais uma edição da Maratona do Porto, (este ano a maratona é outra mas daqui a uns dias conto-vos tudo), alguns deles na sua primeira como eu no ano passado. E estava na partida e comecei a ouvir os speakers a anunciarem a partida e a relembrar tudo o que senti há um ano atrás aquando da minha estreia maratonista.

Relembrei toda a dureza daqueles que foram os meus primeiros 42km de uma assentada. Relembrei o nervosismo de nem saber se ia conseguir cumpri-los. Lembrei-me de todas as vezes que disse ao João (o meu companheiro de maratona) para olhar para as lindas construções do nosso lado esquerdo, para ele não começar a olhar para Gaia ali depois da curva do Passeio Alegre e não pensar nos kms todos que ainda faltavam correr. E como não podia deixar de ser lembrei o grande sofrimento dos últimos kms, aquela parede que qualquer maratonista tão bem conhece!

Ao chegar ao fim dos meus 15km voltei a reviver aqueles instantes finais da minha Maratona do Porto de 2016 em que as emoções de cumprir um grande objetivo, traçado dois anos antes e adiado um ano devido a lesão, se sobrepunham às necessidades de respiração.

Não há dúvida alguma! Foi certamente o dia mais feliz da minha vida de corredor, nunca me senti tão orgulhoso de todo o trabalho desenvolvido ao longo de tantos meses, tantos kms, tantas dores, tantos cuidados com a alimentação, tantos sacrifícios. Foram 42kms inesquecíveis, foram 3h36min incríveis que dentro de um mês estarei a repetir noutras alturas.

E vocês ainda se lembram do que sentiram quando terminaram a vossa primeira maratona? Contem-me tudo…

Abranda o ritmo e não te esqueças de me deixar o teu comentário